+55 11 3939-0480

atendimento@enginebr.com.br

Indústria 4.0: um guia completo para sua empresa estar por dentro da 4º revolução industrial

Compartilhe este post:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Recursos como Inteligência Artificial (IA), Big Data, Internet das Coisas (IoT), automação de processos robóticos e Machine Learning, entre outros, começam a ser largamente difundidos no mundo inteiro, e estão a serviço de uma verdadeira revolução que está transformando as empresas, os consumidores e o próprio mercado: a Indústria 4.0. Os desafios destes novos tempos são muitos, onde a automação e a utilização de dados em tempo real trabalham para a produtividade e contra o desperdício e o retrabalho.

A Indústria 4.0 já é uma realidade. As empresas buscam sua transformação digital para dar conta dos desafios dessa nova era. O consumidor não quer mais apenas preço e bom atendimento. Ele exige, também, compromisso socioambiental, responsabilidade social, comprometimento e soluções customizadas e individualizadas. E as empresas que não atenderem a este chamado verão o bonde passar e ficarão para trás, podendo até mesmo desaparecer.

Mas o que é, exatamente, a Indústria 4.0? O que uma empresa precisa para se inserir em seu contexto? Será que, para ser uma empresa inteligente e em sintonia com os novos tempos, a organização depende apenas da disponibilidade de alta tecnologia? Os especialistas da Engine produziram esse conteúdo especialmente para você saber tudo sobre Indústria 4.0: um guia completo para sua empresa estar por dentro da 4º revolução industrial.

O que é Indústria 4.0?

Uma empresa inteligente, inserida no conceito da Indústria 4.0, é totalmente automatizada e dispõe de dados para a tomada de decisões just in time, ou seja, em tempo real. Tudo para alcançar uma gestão muito mais produtiva, com sensível redução de custos, sem desperdícios e retrabalho.

A alta tecnologia apoia essa produtividade jamais vista, permitindo a automação dos processos. Uma máquina pode ser consertada antes mesmo que enguice e interrompa a produção, por exemplo. Já os dados em tempo real são utilizados na tomada de decisões gerenciais muito mais assertivas. Tudo em nome da alta produção e de um total controle sobre todos os processos, o que permite um resultado muito melhor.

Foi-se o tempo que às empresas bastava estabelecer altas margens de lucro e vender bastante para alcançar os resultados esperados. O mercado não permite mais isso, por conta de uma concorrência global e de um consumidor que exige muito mais de quem ele escolhe para consumir. Às empresas resta ser extremamente produtivas e capazes de atender a este consumidor que, inclusive, exige soluções sob medida.

Empresas automatizadas, que sabem utilizar os dados em tempo real  à favor do negócio, que adotam processos inteligentes e que investem na integração do negócio e na escala de produção alcançam resultados muito mais consistentes. E encaram de frente os desafios dos novos tempos. Não basta ter tecnologia e automação; é preciso saber o que fazer com isso!

E as demais revoluções industriais?

A primeira revolução industrial que o mundo experimentou, e o modificou para sempre, aconteceu no século XVIII, com a invenção da máquina a vapor. Nunca se produziu tanto, e em larga escala, até então. Até que o mundo viveu uma segunda grande revolução industrial, quando a máquina a vapor foi substituída pela energia elétrica. É aí que passamos a utilizar linhas de montagem, agregando eficiência, produtividade e redução de custos às indústrias. 

As cidades prosperaram, a qualidade de vida mudou e o progresso chegou, até que alcançamos a terceira revolução industrial, após o fim da Segunda Guerra Mundial, quando as máquinas começaram a utilizar componentes eletrônicos e a produção experimentou a redução da participação humana. 

Nesta quarta revolução industrial em curso, a chamada Indústria 4.0, tudo se conecta por meio de uma internet extremamente poderosa e veloz, em sistemas de nuvem, e é essa a base da automação e dos processos muito mais eficientes. O termo Indústria 4.0 foi utilizado pela primeira vez em uma feira realizada em Hannover, na Alemanha, por conta de um projeto de estratégia de alta tecnologia do governo alemão para informatizar unidades fabris.

Os desafios da Indústria 4.0 e a transformação digital

Atender aos anseios deste novo consumidor e produzir em alta escala, com mais produtividade e menos custo, eliminando o desperdício e o retrabalho, é o grande desafio da Indústria 4.0. Afinal, precisa investir cada vez mais na produtividade até mesmo para dar conta de um mercado de 9,7 bilhões de pessoas em 2050 e 11 bilhões em 2100, segundo estimativas da ONU – Organização das Nações Unidas.

As empresas também estão adotando um compromisso com uma agenda socioambiental, e o combate ao desperdício e a eliminação dos impactos negativos que suas operações possam ter sobre o meio ambiente, além da preservação dos recursos naturais, estão em pauta. O próprio cliente final exige isso! Portanto, a produtividade não está apenas a serviço do lucro, mas também do meio ambiente.

Outros desafios da Indústria 4.0 são:

  • A redução de custos sem afetar a qualidade;
  • A utilização de dados em tempo real;
  • O monitoramento e a manutenção remota de máquinas e equipamentos industriais;
  • A personalização e customização de produtos para atender aos anseios de cada consumidor;
  • Melhor aproveitamento dos recursos e;
  • A criação de novas profissões, porque os recursos humanos são a base de todo o trabalho eficiente.

A Indústria 4.0 depende apenas da alta tecnologia?

Mas é claro que não! E isso é algo que todo especialista no assunto se esforça para deixar bem claro: a revolução está nas mãos das pessoas! É verdade que a automação depende de tecnologia, e disso não é possível abrir mão, mas a questão central é: o que fazer? Como fazer? Para que automatizar? Como mudar os processos de uma produção inteira?

De que adianta a sua empresa saber que a entrega de um produto atrasará, antes mesmo do atraso acontecer, e não avisar o cliente? Ou seja, para que dispor de dados em tempo real e não utilizá-los a favor do negócio e da própria produção? A adesão dos recursos humanos é a base da Indústria 4.0, e o que se espera é uma mudança de mentalidade – e isso jamais, em tempo algum, vai ocorrer sem o comprometimento do time.

A Indústria 4.0 não é exatamente um modelo de negócio nem uma tecnologia específica. É uma forma de atuar, combinando inovação, alta tecnologia e processos inteligentes.

Quer saber mais sobre a Indústria 4.0? Então clique aqui e assine nossa newsletter gratuitamente.

Por que sua empresa não tem como fugir dessa realidade?

A terceira revolução industrial permitiu a redução da participação humana na produção, mas a Indústria 4.0 vai muito além disso. A automação da produção é garantida por processos inteligentes, aliado à alta tecnologia, como ERPs que interligam toda a empresa. O objetivo, agora, é produzir mais e melhor. É reduzir custos. É inovar, para se destacar no mercado. É buscar a eficiência total, e os recursos humanos estão nos planos para isso, é claro.

O que não se pode mais deixar de cuidar é da produtividade e da eficiência do negócio, e é esse o ponto central da Indústria 4.0. Porque as empresas precisam ser produtivas é a resposta para a pergunta: por que sua empresa não tem como fugir da Indústria 4.0?

A Indústria 4.0 no Brasil

Ainda estamos engatinhando, é bem verdade. Segundo a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), em 2018 menos de 2% das empresas se mostraram realmente interessadas neste assunto. Mas a mesma ABDI garante que nos próximos 15 anos a Indústria 4.0 movimentará nada menos do que US$ 15 trilhões. E estima que em 10 anos 15% das empresas brasileiras do setor de manufatura já estarão inseridas na Indústria 4.0.

Como inserir sua empresa neste contexto?

São dois conceitos básicos: planejamento e transformação digital.

Antes de mais nada, é preciso criar um planejamento estratégico muito bem elaborado, que funcione como uma base para todo o processo. O envolvimento e treinamento da equipe são essenciais e indispensáveis. Também é preciso repensar os processos, automatizando-os. A transformação digital é a base dessa revolução pela qual sua empresa passará.

A integração de todos os sistemas da empresa também é fundamental, e o uso de um ERP resolve isso muito facilmente. O foco deve ser na melhoria de processos, e isso vale para toda a empresa. 

Portanto, planejar e se transformar digitalmente são os passos decisivos para se inserir na Indústria 4.0 e se beneficiar dela.

Sua empresa está preparada?

De acordo com a consultoria global McKinsey, até 2025 a Indústria 4.0 poderá reduzir os custos de manutenção de equipamentos entre 10% e 40%, reduzir o consumo de energia elétrica entre 10% e 20% e aumentar a eficiência do trabalho entre 10% e 25%. E este é apenas o começo desta verdadeira revolução. Mais do que estar por dentro da 4ª revolução industrial, sua empresa precisa adotá-la. Os resultados agradecerão!

Quer saber como a Engine pode te ajudar a introduzir sua empresa na Indústria 4.0? Basta clicar aqui e falar com um de nossos especialistas.

Veja também