+55 11 3939-0480

atendimento@enginebr.com.br

2021 é o ano da governança ambiental para a indústria de alimentos

Compartilhe este post:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Cada vez mais presentes nas pautas das indústrias de alimentos do mundo inteiro, não há dúvidas de que as questões ambientais, sociais e de governança (ESG) têm um impacto todo especial para empresas do setor. Se não bastasse o compromisso com o próprio planeta, a governança ambiental para a indústria de alimentos é um tema cada vez mais relevante e imprescindível para um mercado do qual se exige saudabilidade. Além disso, é preciso atender aos anseios de um consumidor cada vez mais exigente, que não abre mão de atitudes socioambientais de quem lhe fornece alimentos.

Não há como deixar de lembrar, ainda, a questão da pandemia do novo Corona vírus. A indústria de alimentos está se reinventando, comprometida com a inovação, para trilhar um caminho diferente no pós-covid. O exercício da governança ambiental das empresas do segmento está diretamente ligado à própria nova realidade da indústria alimentícia. Portanto, é possível dizer, sem erros, que 2021 é o ano da governança ambiental para a indústria de alimentos.

Se o mundo está mudando, como a indústria alimentícia faria diferente? Ela precisa estar na vanguarda da governança ambiental, e os motivos são óbvios: é do planeta que o segmento tira o seu sustento. E as empresas têm respondido muito bem a esta demanda, comprometidas com as questões socioambientais. A Coca-Cola, por exemplo, maior indústria de bebidas do planeta, já anunciou que está estudando, junto a uma startup dinamarquesa, a criação de uma embalagem de papel para a distribuição e venda de seus produtos.

Não é um exemplo solitário, acredite. Toda a cadeia está buscando assumir, exercer e incentivar cada vez mais a governança ambiental. Ganham o planeta, o consumidor e o próprio mercado.

Você sabe o que é ESG?

Sigla que vem do inglês Environmental, Social and Governance (Ambiental, Social e Governança – ASG, em português), o ESG vem sendo utilizado pelas grandes empresas já há alguns anos, mas hoje é visto como uma das principais tendências para 2021. Estes são os três fatores que compõem a medição do índice de sustentabilidade e impacto social de uma organização.

Entende-se que esse compromisso com o meio ambiente é uma exigência de um novo consumidor, cada vez mais consciente. E que também é fundamental para uma economia mais sustentável, mesmo porque, em última análise, todos os insumos vêm da terra ou do mar. Proteger o planeta também é proteger sua própria economia, seu próprio mercado e a qualidade de vida das populações.

O chamado ESG é como uma espécie de selo de qualidade socioambiental para uma empresa. Uma análise ambiental, social e de governança pode indicar como uma empresa se posiciona em relação à sociedade e ao planeta, o que faz e, principalmente, o que não faz por isso.

Um recente estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), publicado em julho do ano passado, apurou que a maior parte das empresas brasileiras que investe em sustentabilidade busca apenas obter uma imagem institucional melhor. No caso, 59,4% das empresas entrevistadas revelaram essa condição. Mas a governança ambiental não é mais um diferencial, e sim uma obrigação, e é o consumidor quem diz isso. E cobra, direcionando suas compras para quem as merece, sob o ponto de vista socioambiental.

Não há dúvidas de que o ESG terá um impulso enorme no mundo pós-pandemia. E que 2021 é o ano da governança ambiental para a indústria de alimentos, segmento que está comprometido de corpo e alma com essa pauta.

O “E” do ESG

O “E”, do ESG, é o Environmental, ou seja, a governança ambiental. É sobre ela que a indústria de alimentos deposita todas as suas fichas, na busca pela inovação e crescimento de um mercado com desafios cada vez maiores e mais complexos. A Coca-Cola não está buscando desenvolver uma garrafa de papel por modismo, ou simplesmente para mostrar seus ideais ecológicos. Longe disso! Abolir o plástico – ou ao menos a maior parte do seu uso – é um compromisso de governança ambiental

Empresas espalhadas pelos cinco continentes têm dedicado tempo e dinheiro para criar novas embalagens sustentáveis, reciclando, reutilizando e até substituindo o plástico. A resposta aos desejos do consumidor – e de um mercado sustentável – está na própria natureza. Ou na defesa dela! Investe-se em energia renovável, na agricultura regenerativa e na inovação das embalagens e dos processos produtivos porque o mercado exige isso. O combate ao desperdício é, hoje, um dos mais importantes compromissos da governança ambiental da indústria de alimentos

A reputação da indústria está em jogo, sim, mas a governança ambiental está longe de ser perseguida tão somente por conta disso. As mudanças climáticas, por exemplo, podem produzir custos elevadíssimos para a indústria alimentícia. O interesse das empresas pela “E” do ESG é vital e inerente ao seu desenvolvimento. A indústria não pode crescer, nem atender à crescente demanda por alimentos, sem investimentos firmes em defesa do meio-ambiente.

E as empresas estão elegendo o “E” como prioridade. A Nestlé anunciou, por exemplo, que vai investir nada menos do que US $3,6 bilhões, nos próximos cinco anos, para combater as mudanças climáticas e para promoção da sustentabilidade. A Danone também está apostando nesta frente, e garante que disponibilizará US $2,18 bilhões, em três anos, para mudar suas embalagens, investir na agricultura regenerativa, em energia e em novos processos operacionais.

Por que as empresas da indústria alimentícia estão focando cada vez mais na governança ambiental?

Uma associação de institutos de governança de todo o mundo, inclusive com representação brasileira, a Global Network of Directors Institutes (GNDI), promoveu uma pesquisa intitulada “2020-2021 Survey Report – Board governance during the Covid-19 crisis”, com 1.964 conselheiros de 17 institutos mundiais. O ESG ficou em primeiro lugar entre as questões de maior impacto no mundo dos negócios, e 85% dos entrevistados acreditam que haverá um maior foco sobre o “E”.

Mas por que as empresas, principalmente da indústria de alimentos, estão investindo na governança ambiental? As práticas relacionadas à sustentabilidade passaram a ser consideradas como parte da estratégia financeira das empresas. Emissão de carbono, gestão de resíduos e rejeitos, questões trabalhistas e de desperdício hoje têm peso no resultado das empresas, portanto em sua própria sobrevivência. Não é demais lembrar que muitas destas empresas da indústria de alimentos têm capital aberto e estão na Bolsa de Valores, certo?

A adoção da governança ambiental traz novos paradigmas, como o engajamento proativo dos acionistas, a priorização da sustentabilidade e uma nova cultura corporativa.

A Engine pode ajudar a indústria alimentícia em processos que buscam a governança ambiental

2021 é o ano da governança ambiental para a indústria de alimentos, e a transformação digital é fundamental para que esses processos se intensifiquem e se tornem padrão nas empresas. A questão da segurança alimentar passa diretamente pela digitalização dos serviços, porque a informação just-in-time é uma das maiores aliadas desse processo.

A Engine atua há 25 anos com forte presença na indústria de alimentos, apoiando a transformação digital de seus clientes por meio das melhores soluções de gestão empresarial de classe mundial. Buscamos processos seguros, sustentáveis e informações ágeis entre as áreas estratégicas do negócio para a tomada imediata e assertiva de decisões corporativas. Não há inovação sem transformação digital, assim como não há governança ambiental sem comprometimento.

Venha conversar conosco! A Engine está pronta para apoiar a governança ambiental de sua indústria de alimentos, com soluções de ponta. Venha conhecê-las.

Veja também