+55 11 3939-0480

atendimento@enginebr.com.br

Liderança e responsabilidade por inovação na Indústria Química

Liderança e inovação na Indústria Química

Compartilhe este post:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A responsabilidade pela inovação na Indústria Química ainda recai principalmente sobre a liderança, em particular sobre o diretor de tecnologia (CTO) e sobre o diretor de inovação (CINO), em vez do diretor executivo (CEO). De fato, os CEOs raramente assumem responsabilidade direta por impulsionar a inovação.

A aversão ao risco entre C-levels é o obstáculo mais latente, com uma cultura pouco favorável e uma falta de habilidades de liderança fomentada desde os primórdios de sua educação corporativa. O aumento da comoditização e a pressão competitiva sobre o setor, por um lado, e a adoção acelerada de tecnologias digitais, por outro, exigem um foco renovado e revisado sobre esse assunto.

Líderes do setor precisam refletir cada vez mais sobre o tipo de talento que devem procurar, onde encontrá-lo, como recrutá-lo e, sobretudo, como mantê-lo. Em termos mais gerais, eles devem determinar como estabelecer as estruturas culturais, de liderança e de competência apropriadas para alimentar esse ecossistema de inovação.

Para entender melhor as implicações correspondentes neste espaço, a Russell Reynolds Associates entrevistou mais de 50 executivos seniores na Europa e nos Estados Unidos. Esta pesquisa foi uma das primeiras a analisar a inovação na Indústria Química do ponto de vista de talento e cultura da empresa. Foi questionado aos participantes sobre os desafios de inovação que eles veem hoje e os requisitos de talento que eles antecipam nos próximos anos.

Previsivelmente, a grande maioria afirmou que a inovação é um foco estratégico claro. Nesse cenário, o objetivo principal é tipicamente a inovação relacionada a produtos e processos, enquanto menos atenção é dada a outras áreas, como novos modelos e serviços de negócios. De fato, a inovação ainda é tipicamente medida de uma maneira muito centrada no produto, usando as vendas e o valor presente líquido dos fluxos de caixa como métricas para o sucesso.

É importante ressaltar que desafiar o status quo pode ser a única maneira de descobrir soluções disruptivas. Sem isso, as equipes tendem a fazer pequenas mudanças incrementais, mantendo o que é conhecido e seguro. Desafiar o status quo pode levar à descoberta de novas maneiras de fazer negócios, novos serviços e novos modelos de negócios. Também pode ter um impacto na aversão ao risco, pois aqueles que o fazem têm maior probabilidade de correr riscos do que aqueles que não o fazem.

Quanto mais os líderes em inovação estiverem mais próximos do cliente e quanto melhor eles entenderem suas necessidades, maior a probabilidade de eles pensarem amplamente sobre maneiras de inovar e capturar o valor correspondente.

80% dos entrevistados indicam que os líderes em inovação continuarão a vir de cargos internos em P&D; no entanto, 74% dizem que também virão de fora da Indústria Química. Essas respostas parecem sugerir que as empresas estão adotando a ideia de contratar talentos com uma experiência mais ampla de mercado.

Quais indústrias podem fornecer esse talento externo? Os executivos do setor de serviços financeiros e de tecnologia voltados para o consumidor parecem, em média, mais propensos a pensar fora da caixinha, serem mais persuasivos e inquisitivos e abertos a novas ideias do que os executivos típicos dos setores industrial e de recursos naturais. Também foi pedido aos entrevistados para nomearem as empresas que mais admiram por suas habilidades em inovação. As cinco principais empresas mencionadas foram Apple, 3M, Google, DuPont e BASF.

Competências chave para liderar na nova Indústria Química

Como alicerces da mudança, os líderes têm que ser incentivados a desenvolver e incorporar novas metodologias que podem mobilizar e capacitar vários interessados ​​a se apropriar do seu sucesso coletivo, em vez de fornecer soluções de curto prazo que simplesmente aumentam a lucratividade. 

Se bem-sucedidos, os esforços de liderança serão centrados em caminhos alternativos de “infraestrutura”, nos quais seus funcionários serão capazes de superar barreiras em qualquer capacidade que possuam. Elas podem vir na forma de parcerias e colaborações, aumentando a conscientização sobre os desafios fundamentais em questão e mediando e gerenciando conflitos.

Na Nova Economia, indivíduos ou organizações que buscam se alinhar com práticas orientadas à sustentabilidade serão incentivados a criar capacidades dentro dos ecossistemas afetados por suas intervenções. Por exemplo, como seria a economia se as multinacionais que entraram no mercado brasileiro tivessem incentivado seus funcionários a trabalhar com produtores locais?

Nesse cenário, empresas teriam aproveitado a experiência sobre padrões de produção e consumo para desenvolver ofertas culturalmente adequadas. Elas também procurariam entender as implicações éticas de sua presença e tomar decisões em conformidade. Conseqüentemente, a presença dessas organizações poderia realmente capacitar vários players locais a se apropriar do progresso e a se adaptar à medida que novos desafios surgissem.

Os líderes mais bem-sucedidos são aqueles que entendem o quanto a tecnologia pode ajudá-los a gerenciar pessoas, o quanto pode auxiliá-los a formar equipes e acompanhar o trabalho em todos os canais de distribuição.

É um novo cenário, composto por dispositivos conectados, Inteligência Artificial e soluções seguras de negócios em nuvem, permitindo que times trabalhem juntos com mais eficiência do que nunca e capacitando as empresas a expandir seu alcance em direção a novos mercados.

Quando várias empresas oferecem pacotes semelhantes de benefícios a seus funcionários, o que realmente faz a diferença para que ele se torne leal é o equilíbrio entre vida pessoal e profissional. O ambiente moderno é descentralizado. Os projetos podem ser trabalhados usando várias soluções de software que permitem o trabalho colaborativo, em tempo real e em um ambiente seguro.

Você se lembra dos tempos em que nenhuma decisão importante poderia ser tomada porque o CEO ou o gerente responsável estava ausente em uma viagem de negócios e inacessível? A tecnologia transformou esse cenário em algo do passado. Com cadeias de softwares instaladas em todos os dispositivos (desktop, laptop, smartphones), lideranças agora podem gerenciar orçamentos, realizar reuniões e aprovar decisões a qualquer hora, de qualquer lugar do mundo.

Tecnologia não significa apenas soluções avançadas de computação e TI. Também significa liderança social. Um líder agora tem os canais de comunicação mais abrangentes disponíveis. Eles podem influenciar seus funcionários, motivar suas equipes, criar lealdade e conectar-se com colaboradores por meio de várias plataformas.

As novas tecnologias também facilitam a indução, o treinamento, a certificação e o gerenciamento de arquivos de recursos humanos. Por meio de softwares, cada funcionário pode traçar e monitorar seu próprio caminho de aprendizado, enviar relatórios de progresso e preencher formulários de revisão com o mínimo de tempo e esforço. Dessa forma, toda a sua organização tem a capacidade de avançar e se tornar mais eficiente e produtiva. Ao mesmo tempo, os líderes têm uma maneira mais simples e direta de monitorar equipes e alocar recursos em várias contas e projetos.

Economia linear x Nova Economia

A estrutura de nossa economia molda a maneira como os indivíduos interagem entre si, bem como os ambientes que orbitam. De acordo com a economia linear, as organizações extraem ou capturam diferentes tipos de valor de um único local (conhecimento humano, matérias-primas, tecnologia) e criam novas ofertas para atender mercados em outros lugares. 

Então, pessoas e organizações consomem essas ofertas com base em suas necessidades e aspirações. Uma vez que as ofertas não são úteis ou se tornam obsoletas, elas são descartadas. Mas esse modelo linear de produção-consumo é fundamentalmente insustentável. Promove o consumo excessivo de recursos limitados sem a consideração adequada de uma rede subjacente de conexões entre sistemas sociais, ecológicos e técnicos.

A economia atual baseia-se fundamentalmente em modelos de extração de valor, ou modelos que reforçam os benefícios de certas partes interessadas e interesses às custas de outras. Exemplos dessas condições podem ser encontrados na crescente discrepância entre ricos e pobres, no isolamento social dos idosos, na alta contaminação de reservatórios e oceanos.

A transição para a Nova Economia exigirá a incorporação de sistemas de valores alternativo. Embora existam oportunidades de negócios atraentes, as organizações demoraram para reconhecer a velocidade e a escala dos desafios socioecológicos contemporâneos (por exemplo, pandemias, mudanças climáticas, crise global da democracia representativa) em suas práticas e ideologias. Sem desafiar a lógica fundamental que outrora moldou economias lineares e individualistas, é improvável que qualquer organização seja capaz de se envolver no movimento da Nova Economia.

Os avanços tecnológicos e as mudanças culturais estão desafiando os processos tradicionais de inovação e nosso atual modelo econômico. O aumento da capacidade computacional, a crescente aplicação de sensores, novas plataformas de comunicação digital, sistemas de coleta de dados e outros mecanismos fornecem feedback instantâneo sobre aspectos da vida cotidiana humana e a dinâmica do mercado global. 

Cada nó pode expandir exponencialmente a circulação de vários tipos de recursos à medida que acessam outras redes. Assim, os benefícios do aumento da conectividade não estão relacionados apenas ao crescimento da rede e do sistema pelo qual vários recursos circulam, mas nas oportunidades subjacentes para criar valores alternativos.

A liderança adaptativa distingue da liderança de autoridade e a define como uma atividade – não como pessoa ou título. Em vez disso, a liderança se torna a prática de mobilizar outras pessoas para prosperar enquanto enfrenta desafios diante da incerteza. A autoridade, por outro lado, torna-se um poder formal ou informal concedido em troca de um serviço. Essa distinção é significativa, pois libera a liderança para se tornar uma prática que não requer necessariamente um título formal.

Quando se trata de liderar transições econômicas em larga escala, é importante reconhecer que muitos indivíduos e organizações exercem liderança. Eles podem não estar em posições de autoridade, mas são fundamentais para promover a transformação sustentável.

Todas as empresas devem pensar em si mesmas como empresas de tecnologia. Se elas estão alavancando a tecnologia para obter produtos no mercado com mais eficiência ou usando-a para oferecer melhores serviços e experiências para seus clientes, elas não podem se apegar a mentalidades isoladas. 

Um efeito dessa mudança de pensamento é a proliferação de equipes multifuncionais. Líderes precisam aprender os segredos de influenciar sem autoridade. Quando os líderes estabelecem um objetivo comum, eles podem criar um ambiente no qual todos estão trabalhando em direção à mesma solução, facilitando a utilização de estratégias de influência.

Nenhuma estratégia de influência pode ser bem-sucedida sem confiança. Ao demonstrar confiabilidade e ser o mais transparente possível, os líderes podem construir suas equipes sobre uma base sólida que promove a responsabilidade e o respeito mútuo.

A liderança também precisa estabelecer credibilidade, conquistar o respeito de suas equipes antes de poderem influenciá-las com sucesso. Ela precisa saber como os membros de seu time pensam e se comportam. É mais fácil ter empatia com eles e facilitar uma melhor comunicação. Os líderes bem-sucedidos constroem relacionamentos estreitos que facilitam a colaboração eficaz das equipes.

Por sua própria natureza, as equipes multifuncionais abordam os problemas de várias perspectivas, o que é tremendamente valioso em uma época em que a tecnologia está impactando os negócios de maneiras imprevisíveis. Aprender as habilidades certas para promover uma colaboração mais eficaz ajudará os líderes a aproveitar ao máximo seu potencial.

Confira também:

Nosso e-book: As 5 vantagens competitivas para as indústrias química e farmacêutica

Veja também