+55 11 3939-0480

atendimento@enginebr.com.br

É preciso aceitar o desafio tecnológico e de liderança proposto pela Indústria Farmacêutica

10 erros comuns na escolha de um ERP

Compartilhe este post:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Um novo cenário competitivo está surgindo, à medida que mudanças demográficas, pressões crescentes de custos, digitalização de processos, avanços científicos, desafios de liderança e novos concorrentes estão remodelando a Indústria Farmacêutica. Os agentes do segmento serão cada vez menores, mais especializados, automatizados, digitais e ágeis em suas operações; mais sofisticados em suas abordagens comerciais; e mais integrados com fornecedores, parceiros e consumidores.

As empresas de ciências da vida enfrentam desafios sem precedentes, ao passo que as reformas e medidas de austeridade, aumento da concorrência e desafios ao trazer novos produtos ao mercado pressionam as receitas do mercado. Elas estão concentrando-se em oportunidades de crescimento em mercados emergentes, buscando inovações por meio da colaboração com parceiros do setor e acadêmicos, desafiando e revolucionando os modelos operacionais tradicionais de vendas, marketing e pesquisa e desenvolvimento (P&D) e focando na eficiência operacional.

No relatório “Technology Vision”, a Accenture mapeou que as seis tendências tecnológicas a seguir continuarão influenciando a Indústria Farmacêutica nos próximos anos.

Serviços baseados em contexto: onde você está e o que está fazendo

Hoje, os recursos baseados em localização e o uso em larga escala de smartphones e outros dispositivos 3G e 4G ajudaram as empresas farmacêuticas a encontrar novas maneiras de envolver os pacientes e fornecer serviços úteis que podem melhorar suas qualidades de vida. Por exemplo, os fabricantes de Clarityn criaram um aplicativo que fornece aos usuários informações detalhadas sobre a contagem local de pólen e onde encontrar medicamentos próximos para ajudar a aliviar os sintomas sazonais da alergia.

Além dos aplicativos, a tecnologia pode ser usada para coletar dados do paciente em tempo real. Imagine, por exemplo, um monitor cardíaco que possa detectar batimentos irregulares e enviar essas informações para um dispositivo inteligente. Esses dispositivos poderiam então “falar” e fazer automaticamente uma chamada de emergência para um profissional de saúde especificado.

Essa nova geração de sensores abre um mundo inteiro de possibilidades para as empresas farmacêuticas – para coletar informações direcionadas para pesquisa, eficácia e conformidade.

Usando Big Data para gerar valor na Indústria Farmacêutica

Na área de saúde, estamos vendo dados de registros médicos eletrônicos (EMR) reunidos com dados genômicos e genéticos; dados financeiros; e dados relatados pelo paciente para fornecer informações sobre quais terapias fornecem o maior valor geral e com o menor custo.

As organizações de atendimento responsáveis incentivam melhores resultados para os pacientes, reembolsando os profissionais de saúde com base em resultados e medidas de qualidade. Usando dados de EMR e informações de prescrição eletrônica, médicos e empresas de seguros podem acompanhar melhor os resultados dos pacientes a longo prazo, um elemento crítico para os provedores demonstrarem seu desempenho e, portanto, serem adequadamente reembolsados.

As empresas farmacêuticas também precisarão colaborar nessa frente e usar esses dados direcionados para melhorar áreas como desenvolvimento de produtos, atender às necessidades das seguradoras e fornecer evidências convincentes dos benefícios de um medicamento.

Tradicionalmente, os dados são usados ​​em silos, mas esses novos serviços ajudam a encontrar oportunidades para usá-los de várias maneiras diferentes, liberando muito mais potencial. Por exemplo, em P&D, o estabelecimento dessa metodologia permite o uso de dados de ensaios clínicos em simulações, o que pode gerar descobertas com menor custo e menor risco.

Os serviços de dados também permitirão que as organizações de P&D organizem dados de vários pontos de venda, incluindo organizações contratadas de pesquisa, instituição acadêmica, parceiros de laboratório e institutos de saúde pública. Isso permite novas soluções criativas e um maior entendimento sobre a eficácia e segurança de medicamentos e dispositivos.

Foco na nuvem para reduzir custos e melhorar as funções de negócios

Até o momento, o mercado de nuvem serviu principalmente como uma ferramenta para equipes de vendas e marketing na maioria das empresas farmacêuticas. Mas isso está mudando rapidamente. Hoje, esse mercado está se adaptando para atender às necessidades de todas as áreas das ciências da vida e demonstrou ser particularmente útil na superação de problemas de IP, segurança e permitiu que muitas empresas reduzissem os custos operacionais. 

Mas é o acrônimo “PaaS” que a Accenture acredita ter a maior aplicabilidade no setor. “Plataforma como serviço” é uma solução completa e pré-integrada que facilita a implantação de aplicativos sem o custo e a complexidade de comprar e gerenciar os recursos subjacentes de hardware, software ou hospedagem. A plataforma pode ser usada para desenvolver, testar e executar aplicativos de negócios rapidamente.

Preocupações com segurança

Para lidar com essas ameaças complexas e em constante mudança, as organizações devem passar do simples monitoramento e coleta de dados, para entendê-los e visualizar novos comportamentos e anomalias. Como exemplo, as empresas poderiam identificar uma possível ameaça interna analisando os padrões de atividade do tempo de um funcionário suspeito gasto no download de dados confidenciais, o que, por sua vez, acionaria uma verificação de conformidade.

A Accenture prevê que, para entender melhor esses riscos e detectar ataques, as organizações se voltarão cada vez mais para as tecnologias de plataforma de dados que fornecem acesso e agregação de dados por meio de serviços. Essa plataforma manipulará o acesso seguro a grandes volumes de dados que mudam rapidamente e que muitas empresas não conseguem gerenciar internamente.

Novos paradigmas emergem em Pesquisa e Desenvolvimento

Durante séculos, o progresso farmacêutico resultou de avanços na ciência. O laboratório era um espaço bastante confinado; a informação científica era relativamente protegida. Hoje, a ciência é aprimorada por novas tecnologias, como Inteligência Artificial, que nos ajuda a rastrear a descoberta e o desenvolvimento de compostos químicos com eficiência sem precedentes, acelerando a descoberta de medicamentos. Combinar IA com outras novas tecnologias, como a edição do genoma, nos ajuda a entender melhor as doenças.

No entanto, as tecnologias digitais trazem mudanças culturais. E elas ampliam o espectro de disciplinas necessárias para impulsionar o progresso científico. Químicos, biólogos e todos os outros cientistas naturais permanecerão críticos. Mas, para ter sucesso, precisamos cada vez mais de cientistas de dados e afins. Para que as empresas prosperem, será essencial derrubar barreiras entre disciplinas e acelerar a colaboração em P&D.

Ao mesmo tempo, as empresas devem prestar atenção ao fato de que pesquisadores de todo o mundo agora tem acesso a uma vasta quantidade de conhecimento de código aberto. Nesse ambiente, é crucial fazer parte dessa comunidade global de pesquisa, bem conectada com os principais cientistas e instituições em todo o mundo.

O que líderes precisam para inovar na Indústria Farmacêutica

Nossa velocidade de aprendizado deve ser maior que a velocidade na qual nosso ambiente muda. A boa notícia é que a digitalização não apenas aumenta a velocidade com que nosso ambiente muda, mas também oferece inúmeras oportunidades para aumentar a própria curva de aprendizado.

As empresas farmacêuticas enfrentam problemas complexos que se tornam mais desafiadores a cada dia. A globalização está apresentando seu próprio conjunto de desafios que abrangem vários níveis da maioria das organizações farmacêuticas – do marketing, da liderança, à regulamentação. 

Adicione à mistura o “penhasco das patentes”, uma economia em declínio, encolhendo os orçamentos de P&D e os canais de vendas sem brilho, e você tem uma receita que desafiaria até a equipe de liderança mais experiente. 

É preciso pensar grande. Novas soluções devem ser pensadas desde o início. Como uma solução disruptiva mudaria todo o setor ou até outros setores em escala global? É também necessário começar pequeno. Todo começo é difícil, mas esteja pronto para expandir rapidamente. Falhe enquanto pode – quanto mais cedo aprendemos com nossos erros, mais baratas são as primeiras abordagens. E por fim, mova-se rápido: as falhas acontecerão com certeza. Portanto, é importante não desanimar com isso e adaptar-se rapidamente às mudanças do mercado, desenvolver insights e experiências.

Competências críticas de liderança

  • Perspectiva estratégica: compreende o ponto de vista da alta gerência e analisa efetivamente problemas complexos;
  • Decisividade: prefere ações rápidas em muitas situações de gerenciamento; 
  • Adaptação de cultura: utiliza estratégias eficazes para facilitar as iniciativas de cultura organizacional e superar a resistência à mudança;
  • Atrai funcionários líderes: motiva e desenvolve funcionários; 
  • Gestão participativa: envolve outras pessoas, ouve e constrói comprometimento; 
  • Construindo relacionamentos colaborativos: constrói relações de trabalho produtivas com colegas de trabalho e partes externas;
  • Compaixão e sensibilidade: mostra interesse genuíno nos outros e sensibilidade às necessidades dos funcionários; 
  • Respeito pelas diferenças: avalia pessoas de diferentes origens e culturas;
  • Iniciativa: assume o controle e capitaliza as oportunidades; 
  • Compostura: demonstra autocontrole em situações difíceis. 
  • Equilíbrio entre vida pessoal e profissional;
  • Autoconsciência: tem uma imagem precisa dos pontos fortes e fracos e está disposto a melhorar;
  • Gerenciamento de carreira: utiliza táticas eficazes de gerenciamento de carreira, incluindo orientação, relacionamentos profissionais e canais de feedback.

É preciso aceitar o desafio

Em suma, nunca houve um momento mais atrativo para trabalhar na Indústria Farmacêutica. O progresso científico e tecnológico permitirá avanços exponenciais nos próximos anos.

Os players tradicionais continuarão a ter um papel de liderança na conquista desses avanços – se adotarem uma mentalidade ágil e com foco digital, se esforçarem para ser membros da comunidade científica global e aproveitar o potencial de novas tecnologias de produção. 

Como indústria, também devemos defender a alavancagem de dados e tecnologia para manter os sistemas de saúde sustentáveis; devemos abordar abertamente as implicações éticas das tecnologias necessárias para melhor atender os pacientes em todo o mundo.

As habilidades de liderança necessárias para moldar e liderar essas organizações também serão bem diferentes. Os CEOs e os CHROs (diretores de recursos humanos) estão investindo no desenvolvimento da liderança, concentrando-se nas habilidades necessárias para refazer o negócio. 

À medida que a Indústria Farmacêutica continua evoluindo rapidamente, o imperativo de construir o músculo de liderança necessário para gerar valor se torna cada vez mais urgente.

Confira também:

Nosso e-book: Inovações tecnológicas e a reinvenção do modelo de negócios da indústria farmacêutica: 10 lições para o futuro

Veja também