Transformação digital cria novos desafios para indústria farmacêutica

transformação digital na indústria farmacêutica

A indústria farmacêutica possui um dos modelos de negócios mais regulados e normatizados do mundo. As exigências dos órgãos reguladores são extremamente rígidas devido à necessidade de redução de riscos à saúde dos consumidores. O sucesso dessa garantia de qualidade resulta de controles, transformação digital e procedimentos fabris, que devem ser cumpridos à risca. Há três realidades que qualquer empresa desse segmento que busque se posicionar com sucesso não pode negar:

Antecipação: só se mantém no mercado quem é capaz de adotar uma postura visionária, com o desenvolvimento constante de novos produtos e tecnologias. Há enormes oportunidades para as empresas que estiverem bem preparadas.

Controle dos processos: a vigilância em cima das empresas do setor farmacêutico é grande, proporcional à responsabilidade deste segmento. Não há outra possibilidade a não ser atuar de acordo com a legislação e cumprir todas as regulamentações nos mínimos detalhes. É preciso ter controle de todos os processos dentro da empresa e ainda estar atento para inovar.

Inteligência financeira: para investir em pesquisa e inovação, necessidades primordiais para esse setor, é preciso ter um fluxo de caixa equilibrado. A máxima de que são necessários altos investimentos para implementar processos de classe mundial em pequenas e médias empresas já caiu por terra. É possível ter um sistema de gestão alinhado às melhores práticas do mercado sem grandes investimentos iniciais.

Basicamente, em linhas curtas, os desafios que a indústria farmacêutica enfrenta são: uma adoção rápida de processos de classe mundial que facilitam o controle e a redução dos custos operacionais; otimização dos processos produtivos e rastreabilidade da produção, garantindo atuação mais segura e responsável e melhor gestão dos assuntos regulatórios; e desenvolvimento ou substituição de produtos importados, além do volume para atender à demanda em déficit do mercado.

O que nos leva à uma necessidade: o mercado apresenta oportunidades para a ampliação da oferta de insumos industriais, o que poderia estimular o crescimento e aliviar pressões inflacionárias. O mercado exige cada vez mais aperfeiçoamento dos processos de produção pela automação, planejamento e controle dos custos em processo. Concretizar oportunidades depende de condições como: infraestrutura local e logística, preços de energia, tributação, entre outros que afetam os resultados.

A realidade que vivemos hoje, em geral, é que pequenas e médias empresas não possuem os recursos das grandes companhias para investir em processos de classe mundial que se traduzam em melhorias de processo e desenvolvimento de produtos que acompanhe a demanda do mercado. Isso denota um gargalo de gestão e de cultura empresarial que precisa ser solucionado. 

E em um exercício, a solução seria, também em linhas curtas, organizar a casa. Não há outra alternativa a não ser deixar todos os processos sob o mais rigoroso controle e manter os recursos humanos alinhados aos padrões de excelência em todas as etapas. Já há no mercado novas tecnologias e soluções, como sistemas de gestão na modalidade SaaS, para melhorar a eficiência da gestão, permitindo alavancar e acelerar o crescimento e a sustentabilidade das empresas, com baixo investimento inicial e previsibilidade dos custos.

Transformação digital obriga repensar modelos de gestão

O Agile Elephant define transformação digital como “uma mudança de liderança, pensamento, incentivo à inovação e novos modelos de negócios, incorporando a digitalização de ativos e um aumento no uso da tecnologia para melhorar a experiência dos funcionários, clientes, fornecedores, parceiros e partes interessadas”.

É uma mudança de comportamento e processos que afeta todos os setores, principalmente a indústria farmacêutica. O digital está capacitando as pessoas a desempenhar um papel mais ativo em seus próprios cuidados e tornando os processos mais eficientes para os prestadores de serviços. 

As grandes empresas farmacêuticas não são mais a única fonte de informações sobre como seus produtos funcionam. As recentes tendências da transformação digital fornecem a pacientes e players do setor acesso sem paralelo sobre o impacto de uma estratégia de saúde e como isso pode afetar seu bem-estar geral e a vida cotidiana.

As plataformas e comunidades online permitem que as pessoas discutam o progresso de seus tratamentos, enquanto alguns aplicativos conseguem rastrear como um paciente é afetado por uma medida terapêutica prescrita. Essas fontes fornecem aos especialistas insights acionáveis ​​sobre a segurança e eficácia de um medicamento ou terapia. 

De acordo com a consultoria McKinsey, em um artigo intitulado The Road to Digital Success in Pharma, o primeiro passo para se adaptar a esse influxo da digitalização é desenvolver processos para oferecer a você a capacidade de usar esses novos ativos de maneira eficaz. Ao fazer isso, as empresas farmacêuticas, antigas e novas, garantem que permaneçam a “principal fonte de autoridade no desempenho de seus produtos”.

A visualização de dados não é apenas estética, é baseada em resultados reais e em descobertas do setor. Com uma quantidade crescente de conteúdo disponível online diariamente, a maneira como as pessoas acessam e processam informações está mudando. 

O compartilhamento da inteligência baseada em dados deve ser feita de uma maneira tangível e acessível a um público mais amplo, não apenas à mente científica. Por exemplo, a visualização de dados pode melhorar como as informações do paciente são comunicadas a eles ou como certos medicamentos e tratamentos estão afetando diferentes áreas do sistema fisiológico.

Embora os profissionais de saúde continuem representando a relação entre pacientes e a indústria farmacêutica, as tendências digitais estão demonstrando que uma quantidade crescente de pessoas está mais engajada com seus planos de tratamento. A McKinsey diz que, devido à grande quantidade de informações digitais acessíveis em assistência médica e farmacêutica, mais de 85% dos pacientes se sentem mais à vontade em tomar as rédeas de seus tratamentos – ainda mesmo que com o mínimo acompanhamento profissional.

Essas informações permitem que os pacientes desenvolvam um melhor relacionamento com sua saúde e avaliem o custo dos produtos farmacêuticos ou serviços de saúde de que precisam. Para novas empresas farmacêuticas, as chamadas biotechs, tendências de transformação digital como essas podem ser benéficas, pois a indústria tem a oportunidade de se conectar e se envolver com potenciais clientes no ambiente digital.

Não apenas o atendimento ao paciente será aprimorado por meio de análises, inteligência artificial e outras tecnologias avançadas, mas a indústria de desenvolvimento farmacêutico também será transformada. Com informações em tempo real de ensaios clínicos, os fabricantes de medicamentos entenderão melhor como um medicamento afeta um usuário e como eles podem otimizar seus efeitos e minimizar os efeitos colaterais.

Para que as organizações sobrevivam e prosperem no setor de saúde digitalizado, as farmacêuticas devem começar a gerar ideias e implementar estratégias digitais imediatamente para desenvolver um modelo de negócio que permita transformar seus pontos fortes. No final do dia, é vital que essas empresas mantenham o objetivo final no centro de sua missão: a saúde e a segurança de seus pacientes.