O que é preciso para ser um líder global?

O que é preciso para ser um líder global
Por Fábio Barnes
0 Comentário

O tópico de desenvolver uma mentalidade global e expor líderes a experiências multiculturais está ganhando cada vez mais interesse. De fato, como Thomas Friedman afirmou em seu livro “O mundo é plano”, os avanços tecnológicos diminuíram a distância entre países, empresas e funcionários – a expansão do poder econômico e intelectual levou à necessidade de líderes verdadeiramente globais.

Mas poucas empresas estão oferecendo aos líderes o escopo de experiência que em breve precisarão. Segundo um estudo da American Management Association, 48% das organizações consideram o desenvolvimento de capacidades globais em seus líderes uma prioridade. O que é preocupante é que apenas 18% das empresas multinacionais afirmam ter o forte pipeline de liderança global necessário para enfrentar seus futuros desafios de negócios.

Isso é exacerbado pelo fato de que, em uma era cada vez mais protecionista, alguns países parecem querer “seguir sozinhos”. No entanto, a globalização é uma força imortal. Embora os cursos de treinamento multicultural e de sensibilidade cultural para líderes estejam prontamente disponíveis, eles tendem a ser um substituto inadequado para a experiência real no campo.

A Gallup Analytics mapeou quatro estratégias específicas que as empresas podem adotar para desenvolver uma liderança global. Confira:

Aprenda cedo

As primeiras experiências multiculturais são essenciais. Um estudo da Gallup no sudeste asiático mostrou que os executivos da alta administração da região atribuíram às primeiras experiências internacionais um fator crítico que impactou seu desenvolvimento e crescimento como líderes. 

A incorporação de perspectivas multiculturais e globais na prática de desenvolvimento de liderança provará ser uma vantagem competitiva definitiva no futuro, mesmo que sua organização ainda não seja global.

Veja a Alibaba – a principal empresa de varejo online e de tecnologia da China. Ela considera o desenvolvimento de líderes globais como crucial para o seu crescimento – e o programa Alibaba Global Talent Development delineia algumas expectativas-chave de liderança, incluindo “mente aberta” entre elas. Especificamente, a Alibaba diz que os candidatos aprovados terão que desenvolver capacidades em relação às diferenças de cultura, perspectiva e maneiras de fazer negócios.

Cultive curiosidade

Líderes globais devem estar genuinamente curiosos sobre outras culturas para obter uma experiência internacional real. Não compreender completamente os mercados locais, as tendências e as nuances sociais e culturais profundamente enraizadas podem levar ao fracasso.

Um excelente exemplo é a tentativa frustrada da Campbell Soup de construir um mercado lucrativo em um dos maiores países consumidores de sopa do mundo, a Rússia. A empresa não conseguiu prever que os russos já tinham uma rica tradição de consumo de sopa e substituir seu “borscht caseiro” por “minestrone enlatado” era uma batalha difícil de travar.

Quatro anos depois de fazer investimentos importantes no mercado, a Campbell saiu da Rússia. Uma experiência multicultural imersiva – ênfase na parte da cultura – é enriquecedora, mas para obter conhecimento real, os executivos devem se aventurar. E isso não significa apenas comer comida local e fazer compras nos mercados locais; significa um aprofundamento dos fatores sociais, realidades do mercado, pressões econômicas e necessidades e expectativas dos clientes.

Esteja atento ao contexto

Para aprender e crescer, as pessoas precisam de um desafio real. Você precisará definir metas de aprendizado vinculadas ao desenvolvimento para que a tarefa tenha um impacto. A percepção de um líder em relação à cultura, aos negócios e ao mercado pode aumentar essa intencionalidade e levar a melhores resultados nos negócios.

Um cliente da Gallup enviou um executivo para uma experiência importante no exterior para ajudar com vários recalls de produtos. Ele rapidamente percebeu que era apenas uma das questões urgentes que precisava resolver – ele também viu desafios regulatórios, reposicionamento da marca e encontrar e desenvolver seu sucessor como principais prioridades. Se o executivo estivesse focado em sua tarefa, ele talvez não tivesse percebido os outros desafios.

Celebre diversidade

As pessoas devem pensar de perto e com cuidado sobre seus preconceitos antes de sair de casa. É necessária objetividade para entender as oportunidades e os desafios que encontram em novas culturas, mas é necessário um genuíno entusiasmo pela diversidade para entender as novas culturas.

As empresas devem ensinar competências globais e assimilação cultural. Isso ajuda as pessoas a se adaptarem, valorizarem e aproveitarem ao máximo uma experiência internacional. Afinal, se você não pode realmente celebrar a diversidade, se não tem apetite por uma visão maior do mundo, por que sair de casa?

Para criar um ambiente de trabalho que incentive a celebração da diversidade, o foco da empresa deve estar nos indivíduos, em seus valores e em suas aspirações. Fornecer aos líderes esse conhecimento oferece a eles uma compreensão imediata e completa dos talentos e motivações das pessoas com quem trabalham, mesmo antes de serem proficientes no novo idioma e cultura.

À medida que o mundo fica mais conectado, também fica menos homogêneo. A economia mundial já está exigindo líderes com uma compreensão e apreciação evoluídas da verdadeira diversidade. A demanda por uma mentalidade global só crescerá.