A Indústria Farmacêutica: o que esperar para o futuro?

indústria farmacêutica

De acordo com um relatório da The Business Research Company, em 2017, no mundo, a indústria farmacêutica movimentou US$ 934,8 bilhões e alcançará US$ 1,1 trilhão até 2021, um crescimento de 5,8% ano a ano. É um ritmo acelerado em comparação aos 5,2% nos anos anteriores a 2017, mas é mais lento que o dos outros dois grandes segmentos de saúde: equipamentos médicos e serviços. A assistência médica como um todo cresce mais de 7% ano a ano.

Os fatores que afetam o tamanho desse mercado incluem prevalência de doenças, acessibilidade de medicamentos, atitudes do consumidor, políticas governamentais e alguns fatores do lado da oferta. A prevalência de doenças está relacionada ao tamanho da população, idade, herança genética e comportamento (a incidência de doenças infecciosas é menor quando as práticas de saneamento são melhores; estilos de vida sedentários também incentivam doenças crônicas). 

A acessibilidade está relacionada à renda, mas também aos preços dos medicamentos. As atitudes do consumidor incluem a disposição de usar terapias alternativas ou a desconfiança em usar drogas. As políticas do governo (e da companhia de seguros) afetam o reembolso e quem é o pagador. Outras políticas governamentais determinam a regulamentação, o que pode ser uma barreira significativa para o lançamento de novos tratamentos. E um fator importante do lado da oferta é a disponibilidade de um tratamento apropriado, que pode ser uma questão de quantidade, como em uma epidemia, ou de descoberta e desenvolvimento de medicamentos.

As mudanças atuais e em andamento nos fatores políticos, econômicos, sociais, tecnológicos, legais e ambientais estão influenciando o crescimento do mercado de assistência médica, onde as drogas desempenham um papel importante. Os seguintes fatores estão impulsionando esse crescimento:

  • Impostos reduzidos e preços baixos de medicamentos nos EUA;
  • Crescimento do PIB acima de 6% na China e na Índia;
  • Envelhecimento populacional generalizado e estilos de vida sedentários, levando ao aumento da prevalência de doenças crônicas;
  • Barreiras regulatórias reduzidas para novos medicamentos nos EUA;
  • Níveis altos de poluição urbana, aumentando a incidência de condições como asma.

Como resultado, as despesas de saúde per capita devem subir de US$ 1.137 para US$ 1.427 até 2021. Parte da explicação para o crescimento atual relativamente lento do mercado farmacêutico é que o lançamento dos principais novos produtos diminuiu e as empresas estão restringindo seu investimento em Pesquisa & Desenvolvimento. 

Por exemplo, apesar do enorme potencial de qualquer novo medicamento eficaz e seguro para o tratamento da doença de Alzheimer, a Pfizer encerrou o programa de pesquisa da doença, enquanto a AstraZeneca e a GSK também reduziram seus esforços. As altas taxas de falhas, o custo médio de US$ 2 bilhões no desenvolvimento de um novo medicamento e os retornos decrescentes do investimento – de 10,1% ao ano em 2010 para 3,2% em 2017 para as grandes empresas farmacêuticas, segundo a Deloitte – estão impedindo o lançamento de novos medicamentos, como os que impulsionaram o mercado nos anos anteriores.

Atualmente, a maior parte do crescimento da indústria farmacêutica vem do tamanho da população mais velha, o que aumenta a demanda por tratamentos de longo prazo para doenças crônicas e um melhor acesso aos serviços de saúde nas economias emergentes.

Tem também o crescimento do eixo Ásia-Pacífico, alimentado pela acessibilidade dos medicamentos – resultante do lançamento de genéricos de baixo custo -, aumento do PIB per capita na região, programas governamentais de apoio à saúde e rápida urbanização, que traz médicos e farmácias de fácil alcance. As vendas de produtos farmacêuticos nessa indústria crescerão 8,4% ao ano até 2021.

Brexit complica ainda mais a situação regulatória da indústria farmacêutica

Com o prazo para o Reino Unido confirmar os termos de sua saída da União Europeia (UE), o efeito dos possíveis resultados na indústria farmacêutica ainda não é totalmente conhecido. 

Por exemplo, as farmacêuticas da UE que dependem de suprimentos do Reino Unido, como Sanofi e Novartis, estão começando a armazenar medicamentos e há preocupações com testes em lotes, suprimento de sangue e órgãos e alterações nos processos de regulamentação e testes clínicos que retardarão os medicamentos que chegam às ilhas britânicas pós-Brexit. 

Um dos principais desafios de acesso ao mercado da indústria farmacêutica que o Brexit traz consigo, independentemente do caminho a seguir, está relacionado à futura localização da Agência Europeia de Medicamentos. Desde a sua criação em 1995, a EMA estava localizada em Londres. No entanto, a Holanda venceu a oferta para sediar a nova sede da EMA. Com a sede da EMA em breve mudando para Amsterdã, várias mudanças podem ser implementadas nas regras para medicamentos desenvolvidos e testados no Reino Unido.

Os produtos farmacêuticos constituem uma parte considerável dos produtos exportados de e para o Reino Unido. Quaisquer obstáculos pós-Brexit à livre circulação de mercadorias podem significar problemas para esses suprimentos, potencialmente levando à escassez temporária de drogas. Isso é especialmente verdadeiro no caso de medicamentos como a insulina medicinal, que não é fabricada no Reino Unido, nem é facilmente armazenada, pois exige condições de temperatura controlada. 

No entanto, não é apenas o movimento de medicamentos que está em risco. Como se aproxima a possibilidade de regras mais rígidas sobre o fluxo de pessoas entre o Reino Unido e a UE, as empresas da indústria farmacêutica estão preocupadas com sua capacidade de atrair talentos de fora da Grã-Bretanha no futuro. É vital que as empresas farmacêuticas ainda possam acessar os melhores talentos de todo o mundo.

O Reino Unido desempenha um papel significativo na regulamentação de medicamentos na UE através do trabalho da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA). O país frequentemente atua como relator / co-relator no procedimento centralizado da UE e como o estado-membro de referência no procedimento descentralizado. Será uma tarefa desafiadora substituir a capacidade e a experiência da MHRA, particularmente no caso em que o cronograma de reforma seja agressivo.

A desaceleração do crescimento do mercado, as implicações do Brexit e os preços inflacionados de medicamentos são as principais áreas de preocupação, mas também vimos isso em anos anteriores, onde o mercado se recuperou e se adaptou às mudanças.

Mesmo com seus desafios, a indústria mantém uma fortaleza. Há notícias promissoras no horizonte com biossimilares e tendências de assistência médica centradas no paciente, que provavelmente ajudarão o mercado a retornar a um estado próspero.